O julgamento

Falar dos outros é tão fácil, não é? Conseguimos facilmente destacar os defeitos e pontos a serem melhorados nas outras pessoas, mas por que quando é para julgar nós mesmos é tão difícil?

O problema é que para a maioria das pessoas, julgam os outros e destacam suas imperfeições para ter a impressão de que são melhores, para não ver os próprios erros e defeitos. É mais fácil acreditar que todo mundo é pior do que você, do que ver o que você tem de errado e mehorar, e não digo que eu mesma não o faça, principalmente quando estamos passando por um momento de dificuldade é muito mais confortável dizer que os problemas dos outros são menores, que a culpa não é sua, do que assumir que você está errado e fazer aquilo que é necessário para melhorar, mudar a situação, dar a famosa “guinada na vida”.

Certa vez, reclamando da vida, como qualquer ser humano normal, ouvi algo que me fez parar para pensar: “Se todos colocassem os seus problemas em pilhas, uma ao lado da outra e você pudesse escolher qualquer uma delas, você pegaria a sua própria pilha de volta e não reclamaria mais.”

A gente nunca sabe o que acontece com as pessoas em nossa volta, o que elas passam diariamente, coisas que elas não comentam nem mesmo com os entes mais queridos e por isso não podemos julgar atitudes, gestos ou comportamentos alheios.

Eu acredito que a melhor a solução é todos os dias, parar e refletir em tudo que aconteceu, se algo poderia ter sido conduzido de uma maneira diferente, se tinha a necessidade de ter falado certas coisas e principalmente se as dificuldades enfretadas  não foram apenas rotinas do dia-a-dia de qualquer pessoa, olhar para o lado, ver tudo o que você tem e agradecer, perceber que apesar dos problemas, a sua vida não é tão ruim ou sacrificante quanto você imagina.

O maior erro é acreditar que as dificuldades que a gente passa, são castigos do destino, que a gente não merece, que o universo conspira contra nós e não temos nada a fazer.

Burrice! Para que a vida mude e encontre a felicidade basta apenas querer, se mover e fazer o que for necessário para alcançar o que te faz feliz. Mas então surge uma outra pergunta, será que você realmente sabe o que te faz feliz? Mas isso é uma questão para outra reflexão.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: